domingo, 20 de janeiro de 2008








"O coração da mulher não muda com o tempo
E não se transforma com as estações.
Agoniza longamente, mas não morre.

O coração da mulher é semelhante aos campos onde
Os homens travam suas guerras e perpetram suas matanças.

Arrancam-lhes as árvores,
Queimam-lhes a grama,
Mancham-lhes as pedras de sangue,
Plantam ossos e crânios no seu solo.

Mas eles permanecem tranquilos e pacíficos e, neles,
A primavera continua a ser primavera..."

- Gibran Khalil Gibran -


Postar um comentário